Psicodiafanógenos

Esforços experimentais fúteis na tentativa de contornar o Princípio da Incerteza

Rotas
de fuga

O Malho
Taí um cara com coisas para falar


Central Desinformativa
Adoro longas cadeias de dominó


Idéias Antigas
Reflexões do meu troglodita favorito


Ciência em Dia
O grilo falante da imprensa científica


Senso comum... comum a quem?
O que começou tudo por aqui


Love and Other Bruises
No fim, para que servem os amigos?


Imagens e Palavras
Uma amiga minha que virou croata



Esforços anteriores

Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Março 2007
Abril 2007
Agosto 2007
Dezembro 2007



Você é o visitante

"Life is what happens while you're busy making other plans."
John Lennon



sexta-feira, dezembro 21, 2007

 
Strike 3, you're out!

Rapaz, não achei que ia voltar aqui. Mas hoje, sem eu fazer nada, cumpri minha missão na vida. Pensei que deveria registrar.

Dizem que um homem precisa escrever um livro, ter um filho e plantar uma árvore. Livros, eu já fiz dois. Filho, uma coisa um pouco mais delicada, eu fiz um, que está a caminho. Quanto a árvores, planejava me manter longe delas -- até para que o destino não considerasse meu caminho cumprido e me tirasse daqui.

Pois bem. A Vale estragou tudo. Recebi aqui no trabalho um envelope volumoso da assessoria de imprensa da empresa. Depois de me desvencilhar de umas duas embalagens, um papel exaltava o investimento da companhia em preservação ambiental, com, entre outras coisas, a plantação de árvores.

"Entre todas essas árvores, há uma que é sua. Ela tem o seu nome e foi plantada na Floresta Nacional de Carajás (PA), em plena Amazônia, numa área de 6 mil metros quadrados onde, até 2002, funcionou a Mina do Arenito e que foi recuperada e transformada em local de preservação."

Junto ao papel, um quadrinho, com a foto da dita cuja, que tem uma placa com o meu nome.

Não repare se cair um raio na minha cabeça hoje à tarde.



terça-feira, agosto 21, 2007

 
A long time ago, in a far away galaxy...

FAZ MUITO TEMPO desde o meu último post. Resolvi na verdade vir aqui para ver se o blog ainda estava no ar. Estava. Aí me senti na obrigação de publicar alguma coisinha.

Muita coisa mudou desde o último post. Eu mudei. Ou melhor, me mudei. Já estou na Mansão Wayne, que de mansão só tem o apelido mesmo. É um apartamento pequenininho, na verdade. Mas (1) é meu; (2) tá bonito. Então, a despeito do tamanho, estou muito feliz por lá.

Quase fui à falência (na verdade, fui, se considerarmos que entrar no negativo em dois bancos pode ser chamado de falência) para "equipar" a casa, mas estou finalmente naquele ponto em que falta pouco -- apenas alguns detalhes. Mas já está bem confortável ficar por lá.

Há um mês eu mudei. Aguarde para as próximas semanas a inauguração "oficial", com direito a open house. Stay tuned.



segunda-feira, abril 30, 2007

 
Acredite se quiser

MAS É VERDADE. Eu fiquei chateado com a morte do seu Frias. E não é porque minha avó se acostumou, anos a fio, a ganhar o peru do seu Frias. Nem é porque ele foi um ótimo empreendedor, um brasileiro fantástico, ________________ (coloque aqui seu adjetivo entusiasmado), patati-patatá. É que quem trabalhou na Folha em algum momento sabe que o sujeito tem uma aura meio "lendária". Tanto pelo tratamento reverente que recebe das instâncias inferiores, quanto pela presença constante no jornal, mesmo com a idade avançada. (Eu mesmo tive oportunidade de encontrá-lo no elevador umas duas vezes, embora nunca tenha trocado uma palavra com o homem.)

De toda forma, estou feliz por ter estado, por duas vezes, no lugar certo, na hora certa. Quando morreu o Roberto Marinho, eu estava na Folha. Quando morreu o Octavio Frias, eu estava na Globo. Way to go.



sexta-feira, abril 06, 2007

 
Vontade

POR QUE é tão difícil para os outros entender o que EU quero fazer. Por que tudo precisa ser negociado? Com tanta gente? Tipo, acho que a minha vida não deveria ser objeto de escrutínio do Conselho de Segurança da ONU. Ou se tornar pauta de reunião do G8. God forbid, nem o Congresso Nacional deveria se preocupar com ela. Mas então por quê?

Nesse ritmo de plantão de Sexta-feira Santa, haja sacro, viu?



sexta-feira, março 23, 2007

 
Talk about fire power

ONTEM rolou uma celebração de aniversário. Meu aniversário. Vigésimo-oitavo aniversário. Recorde de público. Se você escarafunchar os recônditos deste blog, talvez encontre referências de anos anteriores. Mas desta vez houve nada menos que 20 pessoas. O que me faz pensar que mudar de emprego na verdade reforça seus laços sociais. Dos velhos contatos, vários ficam. E, de quebra, você faz novos, o que acaba sendo muito bom. Enfim, saldo positivo.



sábado, março 17, 2007

 
Então...

ESTOU precisando escrever mais livros. Ou de repente não, e isso é só mais uma egotrip. Mas o fato é que me vejo enterrado num mundo mais burocrático que criativo, e isso me sufoca imenso. Além disso, tem a Mansão Wayne, que nunca fica pronta -- claro que eu já tenho de pagar as contas, mas nada de me estabelecer lá de uma vez e ver como fica a minha vida dali em diante. Transições são difíceis, e às vezes, só para efeito de clareza, eu gostaria de ter uma personalidade só.



terça-feira, março 06, 2007

 
OK, pausa...

O BLOGGER agora é o do Google. Alguém aí já reparou que o Google está querendo monopolizar tudo que existe na internet?

Seguindo em frente

ENTÃO, I just wanted to tell you that the Dark Knight strikes again. Or tries, anyways.



quarta-feira, dezembro 27, 2006

 
Kill all the bankers

É O QUE SHAKESPEARE deveria ter dito. Os advogados são ruins, mas os banqueiros são uma raça à parte. E é horrível a sensação de ter sido engrupido por um deles. É mais ou menos como ter comprado o elixir da vida eterna numa banquinha no largo da Batata.



segunda-feira, dezembro 25, 2006

 
É Natal, é Natal, grande porcaria!

Hello again, ladies and gentlemen, I welcome you once more to my boring corner. Três meses que eu não dou as caras, e, confesso, não há nada de novo.

Ou melhor, há muito. É engraçado como duas situações extremas parecem emperrar a comunicação. É difícil conversar com alguém quando você não tem praticamente nada de novo para contar, mas é igualmente difícil prosear quando há muita informação de background que precisa ser passada antes que se entre em temas da "atualidade".

É mais ou menos o que acontece por aqui. Digamos apenas que vivo neste momento um excesso de eventos e informações, e uma falta de tempo para ir colocando-os, da maneira cifrada que é peculiar ao psicodiafanista, in a timely manner.

Eu agradeço à Monica, por tentar me estimular a postar com uma corrente de blog, mas gostaria de dizer a quem por ventura se interessar que não participo de correntes, nem com uma arma apontada para a minha cabeça. Bem, na verdade, nunca ninguém chegou a esse ponto, e espero que nem chegue, mas você pegou a idéia.

Enfim, caos total. Um Natal horrível. E a esperança de que o ano que vem seja menos ruim. Que venha 2007. Com todos os seus sucessos e insucessos, a verdade é que 2006 já deu no saco.



terça-feira, setembro 05, 2006

 
Está difícil...

OI. Estou de volta. Mas não sei por quanto tempo. Na verdade, vim aqui só para colocar alguma coisa e aparecer uma data de setembro. Não tenho nada a dizer, exceto que sofro no momento do milagre da multiplicação dos sites. Eu trabalho hoje quatro, incluindo este aqui. Pelo menos por um deles eu sou pago...



quinta-feira, agosto 10, 2006

 
Momento estranho

ENTRE a sensação (ilusória) de que sou importante e o medo (bem fundamentado) de que uma estafa se aproxima, vivo a angústia (inevitável) de esperar até quarta-feira que vem para saber se o Inter merece ou não o apelido dado pelos amigos gremistas: Municipal.

Comentário procedente

COMO DISSE meu irmão, o São Paulo traiu os colegas do Grêmio, que tantas vezes nos deram alegrias, eliminando Corinthians e Palmeiras de competições importantes. Ainda há tempo para a redenção.

E não custa repetir

VAI LÁ, VAI LÁ, VAI LÁ!
VAI LÁ DE CORAÇÃO!
VAMOS SÃO PAULO, VAMOS SÃO PAULO!
VAMOS SER CAMPEÃO!



quinta-feira, agosto 03, 2006

 
Vai lá, vai lá, vai lá...

QUEM DIRIA, HEIN? Você viu o jogo ontem? Estamos mais uma vez na final da Libertadores. Inacreditável. Eu lembro dos primeiros posts que eu publicava aqui, me 2004, quando o Tricolor voltou ao torneio depois de uma longa ausência e acabou eliminado pelo Once Caldas da Colômbia. Que avanço desde então, hein? Em 2005 fomos campeões, ganhamos o Mundial, e agora estamos de novo a dois jogos do Japão.

Ainda é cedo para dizer que conquistamos alguma coisa, mas não posso evitar pensar que desta vez eu vou ter de dar um jeito de ir pro Japão para ver o jogo. Bem, só assim também para eu ir para o Japão -- não tenho interesse nenhum de ir para um lugar que pode rachar e afundar a qualquer momento por um terremoto, um maremoto ou os dois. Mas uma semaninha para ver o Tricolor se tornar o maior de todos os campeões mundiais, como diz a propaganda da Mastercard, não tem preço.

Já pensou? Será uma realização literal da profecia: "Entre os grandes és o primeiro!" Não custa sonhar.

Ah, sim, e hoje também é o lançamento do meu segundo livro. Mas já deu para sacar que minha mente ficou lá no Morumbi, ecoando o grito de 66 mil pessoas, eu inclusive:

Vai lá, vai lá, vai lá! Vai lá de coração!
Vamos São Paulo, vamos São Paulo, vamos ser campeão!



segunda-feira, julho 31, 2006

 
Não sei se vou ou se fico

É UMA BOA PERGUNTA. Já faz muito tempo que não levo este espaço a sério. Na verdade, nunca levei a sério -- o sério agora é que nem me dou ao trabalho de lembrar que ele existe. Então, deparo com uma de duas opções: voltar a escrever ou parar de vez. Vamos ver o que vai rolar.

Também não sei se ainda tem alguém aí? Ei, você? Está aí ainda? Lê isso aqui?

Beleza, a gente vai se falando então.



sexta-feira, julho 07, 2006

 
Suspensão (des)animada

ESTOU esperando várias coisas acontecerem. E elas acontecerão, em breve. Mas é duro esperar. Gostaria de poder me pautar pelo que disse certa feita Albert Einstein: I never think of the future. It comes soon enough.



segunda-feira, junho 12, 2006

 
Protesto!

POR ALGUMA RAZÃO esquisita, o blog "engoliu" o meu último post (agora penúltimo), que era otimista. Acho que o sistema já está tão acostumado com meu jeito Marvin de ser que elimina automaticamente qualquer sinal de esperança. Torço para que, com esse novo post, o antigo volte a figurar. :-P



This page is powered by Blogger. Isn't yours?